\

Aqui temos um livro livre e completo sobre Shell

Os sedentos do "saber livre" são muito benvindos.

Você está aqui: TWikiBar > TWikiBarPapo011
Controles: EDITAR ANEXAR MAIS MAIS ALTERACOES IMPRIMIR - Última Atualização: [24 Apr 2017 - V.14]

Papo de botequim parte XI



     - E aí rapaz, tudo bom?

     - Belê, mas você lembra que me pediu para fazer um programa que quando o tamanho de uma tela variasse, no seu centro apareceria dinamicamente, em vídeo reverso, a quantidade de linhas e colunas do jeito que o Linux faz normalmente? Pois é eu fiz mas a aparência não ficou igual.

     - Não estou nem aí para a aparência, o que eu queria é que você exercitasse o que aprendemos. Deixe-me ver o que você fez.

$ cat tamtela.sh #!/bin/bash # # Coloca no centro da tela, em video reverso, # a quantidade de colunas e linhas # quando o tamanho da tela eh alterado. # trap Muda 28 # 28 = sinal gerado pela mudanca no tamanho # da tela e Muda eh a funcao que fara isso.

Bold=$(tput bold) # Modo de enfase Rev=$(tput rev) # Modo de video reverso Norm=$(tput sgr0) # Restaura a tela ao padrao default

Muda () { clear Cols=$(tput cols) Lins=$(tput lines) tput cup $(($Lins / 2)) $(((Cols - 7) / 2)) # Centro da tela echo $Bold$Rev$Cols X $Lins$Norm }

clear read -n1 -p "Mude o tamanho da tela ou tecle algo para terminar "

     - Perfeito! Que se dane a aparência, depois vou te ensinar uns macetes para melhorá-la o que vale é que o programa está funcionando e está bem enxuto.

     - Poxa, perdi o maior tempo tentando descobrir como aumentar o fonte ...

     - Deixe isso para lá e hoje vamos ver umas coisas bastante interessantes e úteis.

Named Pipes

Um outro tipo de pipe é o named pipe, que também é chamado de FIFO. FIFO é um acrônimo de First In First Out que se refere à propriedade em que a ordem dos bytes entrando no pipe é a mesma que a da saída. O name em named pipe é, na verdade, o nome de um arquivo. Os arquivos tipo named pipes são exibidos pelo comando ls como qualquer outro, com poucas diferenças, veja:

$ ls -l pipe1 prw-r-r-- 1 julio dipao 0 Jan 22 23:11 pipe1|

O p na coluna mais à esquerda indica que fifo1 é um named pipe. O resto dos bits de controle de permissões, quem pode ler ou gravar o pipe, funcionam como um arquivo normal. Nos sistemas mais modernos uma barra vertical (|) colocado ao fim do nome do arquivo, é outra dica, e nos sistemas LINUX, onde a opção de cor está habilitada, o nome do arquivo é escrito em vermelho por default.

Nos sistemas mais antigos, os named pipes são criados pelo programa mknod, normalmente situado no diretório /etc.

Nos sistemas mais modernos, a mesma tarefa é feita pelo mkfifo. O programa mkfifo recebe um ou mais nomes como argumento e cria pipes com estes nomes. Por exemplo, para criar um named pipe com o nome pipe1, faça:

$ mkfifo pipe1

Como sempre, a melhor forma de mostrar como algo funciona é dando exemplos. Suponha que nós tenhamos criado o named pipe mostrado anteriormente. Vamos agora trabalhar com duas sessões ou duas consoles virtuais ou uma de cada. Em uma delas faça:

$ ls -l > pipe1

e em outra faça:

$ cat < pipe1

Voilá! A saída do comando executado na primeira console foi exibida na segunda. Note que a ordem em que os comandos ocorreram não importa.

Se você prestou atenção, reparou que o primeiro comando executado, parecia ter "pendurado, congelado". Isto acontece porque a outra ponta do pipe ainda não estava conectada, e então o sistema operacional suspendeu o primeiro processo até que o segundo "abrisse" o pipe. Para que um processo que usa pipe não fique em modo de wait, é necessário que em uma ponta do pipe tenha um processo "tagarela" e na outra um "ouvinte" e no exemplo que demos, o ls era o "falador" e o cat era o "orelhão".

Uma aplicação muito útil dos named pipes é permitir que programas sem nenhuma relação possam se comunicar entre si, os named pipes também são usados para sincronizar processos, já que em um determinado ponto você pode colocar um processo para "ouvir" ou para "falar" em um determinado named pipe e ele daí só sairá, se outro processo "falar" ou "ouvir" aquele pipe.

Você já viu que o uso desta ferramenta é ótimo para sincronizar processos e para fazer bloqueio em arquivos de forma a evitar perda/corrupção de informações devido a atualizações simultâneas (concorrência). Vejamos exemplos para ilustrar estes casos.

Sincronização de processos.

Suponha que você dispare paralelamente dois programas (processos) cujos diagramas de blocos de suas rotinas são como a figura a seguir:

Gráfico do Named Pipe

Os dois processos são disparados em paralelo e no BLOCO1 do Programa1 as três classificações são disparadas da seguinte maneira:

    for Arq in BigFile1 BigFile2 BigFile3
    do
        if  sort $Arq 
        then
            Manda=va
        else
            Manda=pare
            break
        fi
    done
    echo $Manda > pipe1
    [ $Manda = pare ] &&
        {
        echo Erro durante a classificação dos arquivos
        exit 1
        }
    ...

Assim sendo, o comando if testa cada classificação que está sendo efetuada. Caso ocorra qualquer problema, as classificações seguintes serão abortadas, uma mensagem contendo a cadeia pare é enviada pelo pipe1 e programa1 é descontinuado com um fim anormal.

Enquanto o Programa1 executava o seu primeiro bloco (as classificações) o Programa2 executava o seu BLOCO1, processando as suas rotinas de abertura e menu paralelamente ao Programa1, ganhando desta forma um bom intervalo de tempo.

O fragmento de código do Programa2 a seguir, mostra a transição do seu BLOCO1 para o BLOCO2:

    OK=`cat pipe1`
    if  [ $OK = va ]
    then
        ...
        Rotina de impressão
        ...
    else    #  Recebeu "pare" em OK
        exit 1
    fi

Após a execução de seu primeiro bloco, o Programa2 passará a "ouvir" o pipe1, ficando parado até que as classificações do Programa1 terminem, testando a seguir a mensagem passada pelo pipe1 para decidir se os arquivos estão íntegros para serem impressos, ou se o programa deverá ser descontinuado. Desta forma é possível disparar programas de forma assíncrona e sincronizá-los quando necessário, ganhando bastante tempo de processamento.

Bloqueio de arquivos

Suponha que você escreveu uma CGI (Common Gateway Interface) em Shell para contar quantos hits recebe uma determinada URL e a rotina de contagem está da seguinte maneira:

    Hits="$(cat page.hits 2> /dev/null)" || Hits=0
    echo $((Hits++)) > page.hits

Desta forma se a página receber dois ou mais acessos concorrentes, um ou mais poderá(ão) ser perdido(s), basta que o segundo acesso seja feito após a leitura da arquivo page.hits e antes da sua gravação, isto é, basta que o segundo acesso seja feito após o primeiro ter executado a primeira linha do script e antes de executar a segunda.

Então o que fazer? Para resolver o problema de concorrência vamos utilizar um named pipe. Criamos o seguinte script que será o daemon que receberá todos os pedidos para incrementar o contador. Note que ele vai ser usado por qualquer página no nosso site que precise de um contador.

$ cat contahits.sh #!/bin/bash

PIPE="/tmp/pipe_contador" # arquivo named pipe # dir onde serao colocados os arquivos contadores de cada pagina DIR="/var/www/contador"

[ -p "$PIPE" ] || mkfifo "$PIPE"

while : do for URL in $(cat < $PIPE) do FILE="$DIR/$(echo $URL | sed 's,.*/,,')" # OBS1: no sed acima, como precisava procurar # uma barra,usamos vírgula como separador. # OBS2: quando rodar como daemon comente a proxima linha echo "arquivo = $FILE"

n="$(cat $FILE 2> /dev/null)" || n=0 echo $((n=n+1)) > "$FILE" done done

Como só este script altera os arquivos, não existe problema de concorrência.

Este script será um daemon, isto é, rodará em background. Quando uma página sofrer um acesso, ela escreverá a sua URL no arquivo de pipe. Para testar, execute este comando:

    echo "teste_pagina.html" > /tmp/pipe_contador 

Para evitar erros, em cada página que quisermos adicionar o contador acrescentamos a seguinte linha:

    <!--#exec cmd="echo $REQUEST_URI > /tmp/pipe_contador"-->

Note que a variável $REQUEST_URI contém o nome do arquivo que o navegador (browser) requisitou.

Este último exemplo, é fruto de uma idéia que troquei com o amigo e mestre em Shell, Thobias Salazar Trevisan que escreveu o script e colocou-o em sua excelente URL. Aconselho a todos que querem aprender Shell a dar uma olhada nela (Dê uma olhada e inclua-a nos favoritos).

Ahhh! Você pensa que o assunto sobre named pipes está esgotado? Enganou-se. Vou mostrar um uso diferente a partir de agora.

Substituição de processos

Acabei de mostrar um monte de dicas sobre named pipes, agora vou mostrar que o Shell também usa os named pipes de uma maneira bastante singular, que é a substituição de processos (process substitution). Uma substituição de processos ocorre quando você põe um comando ou um pipeline de comandos entre parênteses e um < ou um > grudado na frente do parêntese da esquerda. Por exemplo, teclando-se o comando:

$ cat <(ls -l)

Resultará no comando ls -l executado em um subshell como é normal (por estar entre parênteses), porém redirecionará a saída para um named pipe temporário, que o Shell cria, nomeia e depois remove. Então o cat terá um nome de arquivo válido para ler (que será este named pipe e cujo dispositivo lógico associado é /dev/fd/63), e teremos a mesma saída que a gerada pela listagem do ls -l, porém dando um ou mais passos que o usual, isto é, mais onerosa para o computador.

Como poderemos constatar isso? Fácil... Veja o comando a seguir:

$ ls -l >(cat) l-wx------ 1 jneves jneves 64 Aug 27 12:26 /dev/fd/63 -> pipe:[7050]

É... Realmente é um named pipe.

Você deve estar pensando que isto é uma maluquice de nerd, né? Então suponha que você tenha 2 diretórios: dir e dir.bkp e deseja saber se os dois estão iguais (aquela velha dúvida: será que meu backup está atualizado?). Basta comparar os dados dos arquivos dos diretórios com o comando cmp, fazendo:

$ cmp <(cat dir/*) <(cat dir.bkp/*) || echo backup furado

ou, melhor ainda:

$ cmp <(cat dir/*) <(cat dir.bkp/*) >/dev/null || echo backup furado

Da forma acima, a comparação foi efetuada em todas as linhas de todos os arquivos de ambos os diretórios. Para acelerar o processo, poderíamos compara somente a listagem longa de ambos os diretórios, pois qualquer modificação que um arquivo sofra, é mostrada na data/hora de alteração e/ou no tamanho do arquivo. Veja como ficaria:

$ cmp <(ls -l dir) <(ls -l dir.bkp) >/dev/null || echo backup furado

Este é um exemplo meramente didático, mas são tantos os comandos que produzem mais de uma linha de saída, que serve como guia para outros. Eu quero gerar uma listagem dos meus arquivos, numerando-os e ao final dar o total de arquivos do diretório corrente:

    while read arq
    do
        ((i++)) # assim nao eh necessario inicializar i
        echo "$i: $arq"
    done < <(ls)
    echo "No diretorio corrente (`pwd`) existem $i arquivos"

Tá legal, eu sei que existem outras formas de executar a mesma tarefa. Usando o comando while, a forma mais comum de resolver esse problema seria:

    ls | while read arq
    do
        ((i++)) # assim nao eh necessario inicializar i
        echo "$i: $arq"
    done
    echo "No diretorio corrente (`pwd`) existem $i arquivos"

Quando executasse o script, pareceria estar tudo certo, porém no comando echo após o done, você verá que o valor de $i foi perdido. Isso deve-se ao fato desta variável estar sendo incrementada em um subshell criado pelo pipe (|) e que terminou no comando done, levando com ele todas as variáveis criadas no seu interior e as alterações feitas em todas as variáveis, inclusive as criadas externamente.

Somente para te mostrar que uma variável criada fora do subshell e alterada em seu interior perde as alterações feitas ao seu final, execute o script a seguir:

    #!/bin/bash
    LIST=""                  # Criada no shell principal
    ls | while read FILE     # Inicio do subshell
    do
        LIST="$FILE $LIST"   # Alterada dentro do subshell
    done                     # Fim do subshell
    echo :$LIST:

Ao final da execução você verá que aperecerão apenas dois dois-pontos (::). Mas no início deste exemplo eu disse que era meramente didático porque existem formas melhores de fazer a mesma tarefa. Veja só estas duas:

$ ls | cat -n -

ou então, usando a própria substituição de processos:

$ cat -n <(ls)

Um último exemplo: você deseja comparar arq1 e arq2 usando o comando comm, mas este comando necessita que os arquivos estejam classificados. Então a melhor forma de proceder é:

$ comm <(sort arq1) <(sort arq2)

Esta forma evita que você faça as seguintes operações:

$ sort arq1 > /tmp/sort1 $ sort arq2 > /tmp/sort2 $ comm /tmp/sort1 /tmp/sort2 $ rm -f /tmp/sort1 /tmp/sort2

Pessoal, o nosso Papo de Botequim chegou ao fim frown . Curti muito aqui e recebi diversos elogios pelo trabalho desenvolvido ao longo de doze meses e, o melhor de tudo, fiz muitas amizades e tomei muitos chopes de graça com os leitores que encontrei pelos congressos e palestras que ando fazendo pelo nosso querido Brasil.

O que vou escrever aqui não está combinado nem sei se será publicado, mas como os editores desta revista são dois malucos beleza (ambos Rafael), é bem capaz de deixarem passar. É o seguinte: se quiserem que o Papo de Botequim continue, entulhem a caixa postal da Linux Magazine pedindo por isso e desde já escolham o próximo tema entre sed + expressões regulares ou linguagem awk.

De qualquer forma, caso não consigamos sensibilizar a direção da revista, me despeço de todos mandando um grande abraço aos barbudos e beijos às meninas e agradecendo os mais de 100 e-mails que recebi (todos elogiosos) e todos devidamente respondidos.

À saúde de todos nós: Tim, Tim.

- Chico, fecha a minha conta porque vou mudar de botequim.

Vou aproveitar também para mandar o meu jabá: diga para os amigos que quem estiver afim de fazer um curso porreta de programação em Shell que mande um e-mail para a nossa gerencia de treinamento para informar-se.

Qualquer dúvida ou falta de companhia para um chope ou até para falar mal dos políticos é só mandar um e-mail para mim.

Valeu!


Licença Creative Commons - Atribuição e Não Comercial (CC) 2017 Pelos Frequentadores do Bar do Júlio Neves.
Todo o conteúdo desta página pode ser utilizado segundo os termos da Creative Commons License: Atribuição-UsoNãoComercial-PermanênciaDaLicença.